.Justiceiro Social

O Blog Justiceiro Social, foi idealizado como um espaço que irá estar sempre actualizado com a realidade social. Será um espaço de entrevistas, comentários, sugestões e diferentes visões da nossa sociedade actual. Desta forma pretendemos ser mais um suporte para todos aqueles que se interessam com o presente e o futuro da nossa sociedade

.Justiças nº

Counter
Free Counter

.posts recentes

. Políticas Sociais para a ...

. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFIC...

. O ENVELHECIMENTO

. RELAÇÕES INTERPESSOAIS

. MIL VISITAS

. TRAUMAS DO BULLYING - mau...

. A pobreza em Portugal

. Factores e causas da Pobr...

. Ajude a ajudar

. Sondagem para aferir a vi...

.arquivos

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.Super sugestões / Comentários Sociais

Guestbook Reserve-se no direito de adicionar comentários ou sugestões

.Lições Sociais

Sexta-feira, 13 de Junho de 2008

ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO

O envelhecimento demográfico é umas das principais características que diferencia de forma determinante o mundo em que vivemos actualmente, e doutras épocas históricas, na qual as sociedades se caracterizavam pela juventude dos seus membros.É no pós segunda guerra Mundial que o envelhecimento da população começa a sobressair e a chamar a atenção dos responsáveis pela saúde.

A população portuguesa sofreu alterações na estrutura etária devido ao aumento da população. E este aumento deve-se á Diminuição constante da taxa de natalidade, provocada pelaredução da taxa nupcial;casamento tardio;emancipação da mulher e sua participação no mercado de trabalho; generalização dos métodos contraceptivos;encargos sociais acrescidos.Bem como ao aumento da esperança média de vida provocado pelas melhores condições sociais e tecnológicas (progressos da medicina preventiva, curativa e reabilitadora). O conjunto 

destes factores conduz-nos para mudanças no contexto demográfico, que por sua vez, acarretam consequências sociais, culturais e epidemiológicas.Bruto da Costa afirma que: “Mercê de progressivas alterações, mutações sociais e reformas, começaram a surgir não só os problemas relacionados com a "inactividade pensionada", em que as pessoas com determinada idade são pagas para ficarem inactivas, o que lhes assegura algum bem-estar económico, mas os custos reflectem-se na população activa, como também começaram a surgir problemas sociais, nomeadamente os de rejeição, afastamento, internamento, residencialismo, "gaiola dourada" ou hotelaria de luxo para idosos, com as consequências que daí advêm, tanto na imagem que a sociedade tem dos idosos, como na forma como vai sendo progressivamente construída a categoria social da velhice.” (Bruto,Costa Alfredo (1998), Exclusões Sociais, Cadernos Democráticos, Lisboa Gradiva. Pg.7-22)

Esta problemática é ainda potencializada nas sociedades modernas pela mudança conceptual e estrutural de família. Anteriormente, as famílias, como núcleos fundamentais de produção, não afastavam "o ancião" do trabalho, adoptando estas novas tarefas e novos papéis, permanecendo activo e útil. Actualmente, o único sector onde ainda são visíveis, alguns sinais deste sistema localiza-se nos meios rurais, onde o idoso, apesar de receber a sua reforma, mantém algum nível de actividade similar à que desempenhava durante a sua vida. Podemos afirmar, que a reforma constitui um trauma em vez de libertação, já que a inactividade a que são votados provoca sentimentos de inutilidade e a diminuição do poder económico que frequentemente os obriga a viver dependentes dos seus familiares.      

Adicionalmente, acentua-se o desequilíbrio entre homens e mulheres, devido ao forte aumento de longevidade feminina em relação à masculina, por um lado; por outro, o aparecimento da designada "Quarta Idade", a partir dos 85 anos aproximadamente(Nogueira, J. M., O idoso: o sentimento de solidão ou mito do abandono? Lisboa 1996).

Mas o envelhecimento não tem vindo a ser encarado sempre da mesma maneira ao longo dos séculos, o seu conceito tem sofrido grandes alterações na forma de ser percebida e sentida, variando estas de acordo com culturas e diferente evolução das comunidades. O envelhecer à 50 anos atrás não constituía um problema, era encarado como um fenómeno natural, na medida em que não só as pessoas que envelheciam não eram muitas, como o aproveitamento e imagem que a sociedade tinha da população que envelhece era diferente daquela que se tem hoje (Bruto,Costa Alfredo (1997), Exclusões Sociais, Cadernos Democráticos, Lisboa Gradiva. Pg.7-22).

publicado por CSPS às 09:32
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De pokergratuito a 9 de Fevereiro de 2009 às 18:57
Es verdad lo que dice sobre el status de la viejez. Si los orientales veneran a los ancianos y los buscan por su sabedoria y consejo, aquí los tienen como supérfluos, los ponen en residencias para morirse y los olvidan allá. No son todavía productivos, pero lo fueran antes de nosotros y les debemos respecto.
De ABPA a 19 de Fevereiro de 2013 às 14:20
concordo com o que dice . Portugal e um pais com mais pessoas idosas.

Comentar post

.EXPRESSE A SUA OPINIÃO

.Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Justiceiro Social Pessoal