.Justiceiro Social

O Blog Justiceiro Social, foi idealizado como um espaço que irá estar sempre actualizado com a realidade social. Será um espaço de entrevistas, comentários, sugestões e diferentes visões da nossa sociedade actual. Desta forma pretendemos ser mais um suporte para todos aqueles que se interessam com o presente e o futuro da nossa sociedade

.posts recentes

. Políticas Sociais para a ...

. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFIC...

. O ENVELHECIMENTO

. RELAÇÕES INTERPESSOAIS

. MIL VISITAS

. TRAUMAS DO BULLYING - mau...

. A pobreza em Portugal

. Factores e causas da Pobr...

. Ajude a ajudar

. Sondagem para aferir a vi...

.arquivos

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

Quinta-feira, 6 de Março de 2008

Imigrantes Romenos em Portugal

Portugal foi, durante séculos, um país, onde a maior parte da sua população se viu forçada a emigrar para poder sobreviver, o que ainda continua a acontecer. No entanto, nos vinte últimos anos, Portugal tornou-se, também, num destino para muito imigrantes.  Até aos anos noventa, foi, sobretudo, procurado por habitantes dos países lusófonos, mas a última vaga, em finais dos anos noventa, provém dos países da Europa de Leste, com destaque para a Ucrânia, Moldávia, Rússia e Roménia. Esta imigração deveu-se, principalmente, ao facto dos países do norte da Europa terem nos últimos anos fechado as suas fronteiras. Os países do sul da Europa, como Portugal revelam crescentes carências de mão-de-obra. Redes de trabalho clandestinas alimentam o sector da construção civil em franca expansão. Muitos destes imigrantes esperam encontrar em Portugal, uma porta de entrada para outros países europeus, sobretudo depois de ter sido estabelecido o espaço Schengen (1998).

Os imigrantes vindos do leste da  Europa são um conjunto de comunidades relativamente recentes. Os primeiros que, aqui, chegaram foram ciganos vindos da Roménia, logo após a queda do Muro de Berlim (1989). A grande vaga ocorreu depois de 2000. Estima-se que estejam, em Portugal, 8.815 cidadãos romenos.

Ao contrário das restantes comunidades de imigrantes, em vez de se concentrarem em áreas geográficas definidas, espalharam-se por todo o país, desde as principais cidades do litoral às pequenas aldeias do interior. Foram à procura de trabalho e não seleccionaram os locais.

Contudo, a vaga de imigrantes Romenos levantou novos problemas como:

    • Crime organizado – A imigração do leste foi acompanhada pela instalação, em Portugal, de verdadeiras máfias que operam de forma extremamente violenta, o que terá contribuído para o aumento da criminalidade organizada. Estas máfias procuram controlar estes imigrantes. Excepto alguns casos, estas máfias tem-se limitado a actuar junta das próprias comunidades de imigrantes romenas, extorquindo-lhes dinheiro. A morte de muitos destes imigrantes tem sido atribuída à acção destes mafiosos, onde actuam também portugueses.  

    • Tráfico de seres humanos - Uma verdadeira rede de tráfico de mulheres de leste para a prostituição está estabelecida em toda a Europa, Portugal não foge à regra. Muitas, destas mulheres, são trazidas por máfias romenas. Para além deste tráfico, regista-se um aumento do número de casos de venda de crianças por ciganos romenos.  

    • Mendicidade – A mendicidade em Portugal não é um fenómeno recente, mas a verdade é que conheceu um aumento muito significativo a partir dos anos 90 com a entrada milhares de ciganos romenos. Estão neste momento espalhados por todo o país e operam em grupos organizados, utilizando com frequência crianças e deficientes.

    Como já foi referido, há famílias romenas a utilizar crianças para mendigar nas ruas, colocando em perigo a saúde destas crianças. É frequente, encontrarem-se mulheres a vaguear com crianças ao colo, numa tentativa de sensibilizar os que por elas passam. Oriundos da Roménia, estas famílias de etnia cigana entram, quase sempre, no País com um Visto de Turista. Depois, espalham-se pelas principais cidades, fazendo da mão estendida o primeiro passo para o seu sustento.” Muitas vezes, repetem, em Portugal, o comportamento a que as condições difíceis nos bairros degradadíssimos da Roménia os obrigavam. Pelo que, algumas estão em acampamentos, outras em barracas ou casas alugadas, mas sempre “em movimento”, com medo dos agentes do SEF.

    No entanto, a mendicidade não é crime, mas a exploração de menores para a sua prática é, pelo que deveriam ser criadas mais respostas a nível de acolhimento temporário, para que as crianças fiquem lá algum tempo, a receber os cuidados de saúde e alimentação apropriados.

    Contudo, os “cidadãos romenos podem entrar sem Visto no nosso país, podendo aqui permanecer por 3 meses (prorrogáveis até dois períodos de 3 meses). Não sendo a mendicidade um crime e tratando-se do único sustento destas famílias, a resolução desta situação assume contornos muito complexos. “ (ACIME). Por isto, o ACIME constituiu em 2002, um grupo de trabalho para tentar solucionar este problema.

     

publicado por CSPS às 14:40
link do post | favorito
De TeresaSousa a 7 de Março de 2008 às 00:38
Relativamente à imigração romena é de frisar que o crescente aumento de Romenos, em Portugal, é de facto preocupante, visto ser uma população que, na sua maioria, vive da mendicidade, sendo frequente encontrar homens, mulheres e crianças pelas ruas com o Borda-d’água e Revista CAIS na mão.
De entre os Romenos, há os que os que são lutadores e esforçados, procurando trabalho e os que se acomodam, preferindo o caminho mais fácil, como mendigar e traficar seres humanos, incentivando outros compatriotas a virem para Portugal, daí que seja frequente encontrar-se Romenos que referem ter dívidas para com outros e serem alvo de ameaças por parte destes.
A integração das crianças na rede escolar é outra problemática com que os serviços se deparam, no entanto, vão-se vencendo barreiras, na medida em que há todo um trabalho de articulação por parte das instituições com a escola e família. Verifica-se que os pais vão acatando as mensagens que os Técnicos lhes vão passando, daí que haja, já, turmas para crianças romenas.
É de referir que com a adesão da Roménia à UE, passou a haver livre circulação destes no espaço europeu. No entanto, o acesso ao mercado de trabalho ainda está condicionado, mas será que este tipo de população conseguirá inserir-se no mercado de trabalho ou continuará a mendigar?........
Não nos esqueçamos que o preconceito em relação aos Romenos existe e persiste!......

Parabéns pelo Blog, pelo que vejo será um bom espaço não só de partilha de experiências como suporte de investigação e consolidação de conhecimentos.
De PEDRO a 29 de Maio de 2009 às 09:40
Você gosta dos ciganos, caro leitor, cara leitora?Em relação a eles podemos ter estas opções: odiá-los, amá-los, ignorá-los. Eu prefiro amá-los. Sabe por quê? Porque eles são o povo mais excluído da terra e eu me identifico com eles. Quem nunca foi excluído? Na escola? No trabalho? Numa festa... Eu sempre me senti excluído, desde criança. Agora, imagine o povo cigano que sofre exclusão milenar... O povo que não se curva à burocracia, não tem armas nacionais, selos ou símbolos de qualquer natureza, mas respeitam os valores do país que os acolhe. Agora, na ONU, consideraram eles oriundos da Índia; outros criaram uma bandeira e hino para eles, não sei se vai pegar. Ciganos são totalmente desligados de coisas como residências fixas. Podem até morar em palácios, contudo, mantêm a alma cigana nômade. Não se ligam a governos, reis, eleições, enfim, livres como pássaros no céu. Vivem muito bem sob tendas. Gostam de dinheiro, sim, gostam de negociar, sim! Afinal precisam viver, e o mundo é duro...São jogados daqui para ali, sem qualquer consideração das autoridades, sem qualquer assistência social, sem médicos, nem instrução e sem apoio algum. Não se lembra das palavras de Jesus??: Vinde a mim eu vos aliviarei!Onde estão os que se intitulam representantes do Padre Eterno? Onde estão os cristãos?Onde a caridade? Eu invejo os ciganos pela capacidade de sobrevivência sob fatores tão adversos. Eu quero e não posso ser um deles, a sociedade não me permite, mas se eu fosse cigano, seria uma honra para mim. Você já viu um cigano seqüestrador? Já viu um cigano assaltante de bancos? Já viu criança cigana abandonada? Já viu velho cigano abandonado? Aqueles que falam mal dos ciganos, que liguem o ‘desconfiômetro’, devem levar em conta que eles, os ciganos, são espelhos de nós mesmos.Vocês me entende?... [Se você vê no cigano um homem desprezível, você é também desprezível; porém, se vê um homem bom, você é bom. É o fator espelho, meu caro]. Seja livre (no íntimo) como um cigano! Somente assim será feliz. Por último, não menos importante, procure imitar Jesus, o verdadeiro Salvador e também o maior dos ciganos. Foi Ele que disse: Amai-vos uns aos outros. Lembra-te ainda de que somos partículas de Deus, O Grande Arquiteto do Universo.



Um povo que nunca declarou guerra, porque os ciganos, nunca tivérom necessidade de ter um território,não eliminarom nem empurrarão outras populações para se instalar em seu lugar.


Agora sim tá tudo dito,TeresaSousa!!!
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



.Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Justiceiro Social Pessoal