.Justiceiro Social

O Blog Justiceiro Social, foi idealizado como um espaço que irá estar sempre actualizado com a realidade social. Será um espaço de entrevistas, comentários, sugestões e diferentes visões da nossa sociedade actual. Desta forma pretendemos ser mais um suporte para todos aqueles que se interessam com o presente e o futuro da nossa sociedade

.posts recentes

. Políticas Sociais para a ...

. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFIC...

. O ENVELHECIMENTO

. RELAÇÕES INTERPESSOAIS

. MIL VISITAS

. TRAUMAS DO BULLYING - mau...

. A pobreza em Portugal

. Factores e causas da Pobr...

. Ajude a ajudar

. Sondagem para aferir a vi...

.arquivos

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

Sexta-feira, 7 de Março de 2008

Famílias Monoparentais em Portugal

O conceito de família monoparental em Portugal surge com as estatísticas de recenseamento, chamando a atenção para a expressão numérica deste tipo de família.

            “Tendo em consideração os principais indicadores demográficos da última década, observamos um número cada vez maior de famílias com apenas um dos progenitores, o pai ou a mãe, que coabitam sós com os seus filhos” (Relvas e Alarcão;2002).

            Logo, designam-se por monoparentais, as famílias onde a geração dos pais está apenas representada por um único elemento. (Alarcão;2002). Esta situação pode acontecer por vários motivos, ou porque um dos progenitores abandona o lar e o outro não volta a casar, ou porque a mãe solteira fica com o(s)  filho (s), ou adopta uma criança (13) (idem). Karin Wall e Cristina Lobo, fazem a distinção entre monoparentalidade tradicional e monoparentalidade por ruptura conjugal:→A monoparentalidade tradicional explica-se com base em três causas: o falecimento de um dos cônjuges, o celibato associado à procriação de filhos fora dos casamento e a ausência/emigração do cônjuge; e →A monoparentalidade por ruptura conjugal, deve-se essencialmente ás mudanças de perspectiva face ao divorcio, inclusive a autora Torres (1996), faz uma analogia entre o aumento de numero de pais e de mães separados/divorciados com filhos a seu cargo, com o crescimento progressivo da separação e do divorcio na sociedade portuguesa.

Torna-se pertinente referir que as famílias monoparentais não constituem um grupo homogéneo, pois pode existir dentro destas uma enorme diversidade de situações. Por exemplo

 

, há famílias monoparentais que vivem isoladas e outras que vivem com familiares, mães solteiras muito novas com filhos pequenos e mães viúvas a viver com filhos adultos, pais inseridos no mercado de trabalho e outros que nunca trabalharam. Deste modo, é essencial perceber a quantidade de trajectórias possíveis que estas pessoas sós podem adoptar, bem como a variedade de situações abrangidas pelo conceito.

- Perfil das famílias monoparentais em Portugal

Tendo em conta um estudo efectuado pelas investigadoras Karin Wall e Cristina Lobo (1999) sobre as famílias monoparentais, inclui-se um conjunto de variaveis-chave que importa distinguir, (como sexo, estado civil, a idade, o numero de filhos e o nível de instrução), para compreensão da diversidade entre estas famílias.

            Este estudo revela que a monoparentalidade é em Portugal, uma situação essencialmente vivido no feminino, podendo ser assim conceptualizada como uma dimensão da fragilidade social das famílias. Esta situação pode ser explicada por uma razão principal: após um nascimento fora do casamento (ou de união de facto) e depois da separação ou um divórcio, são quase sempre as mulheres que ficam com os filhos à sua guarda. Existem três aspectos principais que traçam o perfil das famílias monoparentais em Portugal. Um aspecto tem a ver com o contexto específico de mudança familiar com que nos estamos a deparar, pois tendo em conta a evolução dos indicadores demográficos, podemos aferir que a proporção de mães e pais sós, separados /divorciados tenderá a aumentar.

            Outro aspecto mostra-nos que existe em Portugal três situações distintas de monoparentalidade: pais e mães sós, geralmente viúvos, que vivem com os filhos adultos, estando pouco inseridos no mercado de trabalho, em especial as mulheres e cuja fonte de rendimento familiar exclusiva é na maior parte das vezes uma pensão mensal da Segurança Social; mães solteiras com menos de 24 anos, a viverem sozinhas com seus filhos menores e com elevada participação no mercado de trabalho, e por fim; mães e pais divorciados a viverem com um ou dois filhos, possuindo um nível de instrução mais elevado e estando mais fortemente inseridos no mercado de trabalho.

            As autoras consideram o perfil actual destas famílias próximo do dos países da Europa do Sul, onde existe por um lado, uma grande proporção do pais e mães sós a viver com os seus filhos, e por outro lado uma inserção domestica caracterizada pela proporção elevada destas famílias para viverem com outras pessoas, nomeadamente com outros familiares formas de apoio familiar prestadas a estas famílias, para que assim estas possam ser inseridas no mercado de trabalho.

            Assim os problemas apresentados reflectem inteiramente a sociedade na qual vivemos.

            Existe hoje uma consciência menos responsável e consciente da vida familiar, embora exista também uma maior fragilidade nas relações, consequência da “separação” familiar. Paralelamente, assiste-se a uma menor estigmatização. Martins diz-nos que “a monoparentalidade é em muitos casos sentida como um fracasso, provocando um processo de marginalização social que se reflecte num sentimento de inferioridade e de desvalorização pessoal sobretudo pela mulher que é, maioritariamente a responsável pela família monoparental”. Esta fragilidade emocional não é de forma alguma sentida apenas pela mulher. A figura paterna encontra-se quase sempre ausente nestas famílias, porque se demitiu das suas funções devido ao afastamento (voluntário, imposto pela mãe ou família materna).            No entanto, é importante salientar que a Família Monoparental não é necessariamente uma família de risco nem tão pouco oriundas desta, estão sujeitas a factores de risco. Tudo depende do modo como a ruptura é gerida pelos cônjuges e de outras problemáticas sociais associadas que aumentam o grau de vulnerabilidade destas famílias, nomeadamente a precariedade económica.

 

 

publicado por CSPS às 14:52
link do post | comentar | favorito
8 comentários:
De virginia a 13 de Outubro de 2012 às 18:30
estou a separar me , tenho 1 filho e tenho a guarda provisoria , sera que posso refazer a minha vida a 200 ou mais kilometros de distancia do pai
De susana a 30 de Janeiro de 2013 às 00:39
Até pode refazer a sua vida a 20km. A distância está na sua cabeça. Autonomia e independência em tudo, estabilidade pessoal, relação funcional e harmoniosa com o filho. Tudo é possível, com muito, mas muito, mas mesmo muito esforço, sacríficio e cedência. Não é necessariamente mau, quando o resultado final é brilhante. Ou nos derruba ou nos fortalece. Opte

Comentar post

.Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Justiceiro Social Pessoal